Juiz autoriza Silval a depor na CGE sobre desvio de R$ 31,7 milhões

Fonte: Midia News O juiz Jorge Luiz Tadeu Rodrigues, da Vara Contra o Crime Organizado de Cuiabá, autorizou o ex-governador Silval Barbosa a...

c4446ba6087ad88583865f4c72a4434c

Fonte: Midia News

O juiz Jorge Luiz Tadeu Rodrigues, da Vara Contra o Crime Organizado de Cuiabá, autorizou o ex-governador Silval Barbosa a prestar depoimento na Corregedoria Geral do Estado (CGE) sobre o esquema de desapropriação do Bairro Jardim Liberdade, envolvendo o montante de R$ 31,7 milhões, em 2014.

O depoimento será dado no dia 3 de julho, às 14 horas, na sede da CGE, uma vez que lá tramita a Comissão de Processo Administrativo de Responsabilização que apura os mesmos fatos, instaurado de forma sigilosa.

Em delação firmada com a Procuradoria-Geral da República, Silval confessou que dos R$ 31,7 milhões pagos pelo terreno, metade (R$ 15,8 milhões) retornou como propina. Deste valor, R$ 10 milhões teriam sido usados para pagar o empresário Valdir Piran, decorrente de empréstimos tomados na campanha de 2010.

Este esquema é alvo da ação penal derivada da 4ª fase da Operação Sodoma, deflagrada em setembro de 2016.

O empresário Valdir Piran chegou a ser preso na operação, mas foi posteriormente solto mediante fiança de R$ 12 milhões.

Silval também disse que participaram deste esquema o ex-secretário de Estado Pedro Nadaf; o ex-presidente do Instituto de Terras de Mato Grosso, Afonso Dalberto (que é delator); e o procurador aposentado Francisco Lima Filho, o "Chico Lima".

Conforme o ex-governador, todos eles "receberam propina para colaborar com o sucesso da empreitada criminosa".

Silval também apontou a participação do ex-secretário de Fazenda Marcel de Cursi, e do ex-secretário de Planejamento, Arnaldo Alves, "apenas não se recordando se esses dois efetivamente receberam parte da propina combinada".

Além deles, também respondem à ação o ex-chefe de gabinete de Silval, Silvio Araújo;  o advogado Levi Machado de Oliveira; o ex-presidente da Metamat, João Justino Paes de Barros; e os empresários Antônio Rodrigues Carvalho e Alan Malouf.

O ex-governador está em prisão domiciliar com uso de tornozeleira eletrônica desde junho de 2017.

Ele ficou preso no Centro de Custódia da Capital (CCC) por 1 ano e 9 meses e só saiu após fazer delação. A autorização do magistrado atende a um pedido do presidente da comissão da CGE que apura o caso.

“Desta forma, considerando que o acusado se encontra em prisão domiciliar e ante a relevância do pedido que visa instruir procedimento administrativo, autorizo o acusado Silval da Cunha Barbosa a comparecer na Controladoria Geral do Estado (CGE) no Centro Político Administrativo – Complexo Paiaguás, Cuiabá, no dia 03/07/2018, a partir das 14h. Comuniquem-se o órgão solicitante e a Central de Monitoramento Eletrônico, bem como, intimi-se o acusado desta decisão", decidiu o juiz.

O esquema

Segundo as investigações, o empresário e delator Filinto Muller foi procurado pelo então procurador do Estado Chico Lima, que teria lhe pedido para criar uma empresa, em nome de um laranja, para possibilitar a lavagem de dinheiro da organização. Tal empresa recebeu várias transferências bancárias da Santorini Empreendimentos, por meio do advogado Levi Machado de Oliveira, no intuito de “lavar” a propina.
A Polícia ressaltou que a Santorini tinha autorização para expropriar a área desde 1997, mas só em 2011, por meio do sócio Antônio Rodrigues de Carvalho, pediu que o Estado adquirisse a área pelo valor de R$ 37,1 milhões. Porém, apenas no final de 2013, o então chefe de gabinete de Silval, Sílvio Araújo, encaminhou o pedido a Chico Lima, para que este elaborasse um parecer.
Conforme as investigações, apenas 55 hectares (no valor de R$ 17,8 milhões) estavam aptos a serem desapropriados, mas a organização aumentou a área de terra a ser apropriada para 97,5 hectares, “a fim de obter lucro”.
O delator e sócio da Santorini, Antônio Rodrigues de Carvalho, contou que, em janeiro de 2014, foi a uma reunião agendada com Chico Lima e o então secretário de Estado de Fazenda, Marcel de Cursi, na sede da Sefaz. Nesta reunião, segundo ele, Cursi exigiu que 50% do valor que seria pago pela desapropriação retornasse para o grupo criminoso.
Dias depois, de acordo com a representação, o à época chefe da Casa Civil, Pedro Nadaf, editou o decreto que autorizou a desapropriação da área, subscrito por Silval Barbosa. Para legalizar o futuro pagamento da indenização, o então presidente do Intermat, Afonso Dalberto, solicitou que a Sefaz agilizasse recursos para garantir o repasse.
Entretanto, como na época o Intermat não possuía dotação orçamentária para fazer o pagamento, o então secretário de Estado de Planejamento, Arnaldo Alves Neto, teria ajustado dotação orçamentária suficiente para atender a demanda da indenização.
O próximo passo da organização  foi a abertura de decretos orçamentários que viabilizaram créditos suplementares para a regularização fundiária. Assim, entre maio e outubro de 2014, foram publicados sete decretos que possibilitaram que os R$ 31,7 milhões fossem pagos pela área.
O ex-secretário Pedro Nadaf detalhou como foi feita a lavagem de dinheiro do esquema, durante depoimento em que confessou os crimes, trazendo cheques da empresa SF Assessoria emitidos a pessoas próximas.
No esquema, Afonso Dalberto disse que se beneficiou de R$ 606,4 mil. Já o delator Filinto Muller relatou que Chico Lima ajustou com ele que os R$ 15,8 milhões do “retorno” seriam lavados por meio da empresa dele, a SF Assessoria.
As investigações também apontaram que o advogado Levi Machado de Oliveira recebeu uma “comissão” de 3% do montante (R$ 474 mil) para colaborar nas tratativas.
Ainda segundo as investigações, era Chico Lima o responsável por definir quais membros receberiam as propinas oriundas dos desvios. Além dele próprio, também seriam beneficiários: Silval Barbosa, Pedro Nadaf, Marcel de Cursi, Arnaldo Alves e Afonso Dalberto.
A propina recebida por Nadaf e Arnaldo, por outro lado, teria sido lavada com a ajuda do empresário Alan Malouf, sócio do Buffet Leila Malouf.

Já a parcela de Silval Barbosa, no valor de R$ 10 milhões, teria sido integralmente repassada ao empresário de factoring Valdir Piran, a título de pagamento de dívidas de campanha.

Nome

Destaque,2,ESPERANDO,2,Fotos e eventos,150,Geral,2677,PAPO DE ESQUINA,6,Política,1096,Regional,1773,Rosário Oeste,1746,Social,163,Tecnologia,263,Variedades,1904,Videos,605,
ltr
item
Biorosario Notícias: Juiz autoriza Silval a depor na CGE sobre desvio de R$ 31,7 milhões
Juiz autoriza Silval a depor na CGE sobre desvio de R$ 31,7 milhões
https://lh3.googleusercontent.com/-QkyEQA4XUqg/WzjjZuV1B7I/AAAAAAABrFE/pfFA4avNgPYIMhWTFGbM2vpTUMsVf1jxgCHMYCw/c4446ba6087ad88583865f4c72a4434c_thumb%255B3%255D?imgmax=800
https://lh3.googleusercontent.com/-QkyEQA4XUqg/WzjjZuV1B7I/AAAAAAABrFE/pfFA4avNgPYIMhWTFGbM2vpTUMsVf1jxgCHMYCw/s72-c/c4446ba6087ad88583865f4c72a4434c_thumb%255B3%255D?imgmax=800
Biorosario Notícias
https://www.biorosario.com.br/2018/07/juiz-autoriza-silval-depor-na-cge-sobre.html
https://www.biorosario.com.br/
https://www.biorosario.com.br/
https://www.biorosario.com.br/2018/07/juiz-autoriza-silval-depor-na-cge-sobre.html
true
7773387971014822502
UTF-8
Carregando posts Nenhum post foi encontrado Ver todos Leia Mais Responder Cancelar Excluir Por Inicio PÁGINAS POSTS Ver Todos RECOMENDADO PARA VOCÊ CATEGORIA ARQUIVO BUSCAR TODOS Não foi encontrado nenhuma correspondente à sua busca! Voltar ao início Domingo Segunda-feira Terça-feira Quarta-feira Quinta-feira Sexta-feira Sábado Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sáb January February March April May June July August September October November December Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez agora mesmo 1 minuto atrás $$1$$ minutes ago 1 hour ago $$1$$ hours ago Ontem $$1$$ days ago $$1$$ weeks ago more than 5 weeks ago Followers Seguir ESTE CONTEÚDO É PREMIUM Please share to unlock Copy All Code Select All Code All codes were copied to your clipboard Can not copy the codes / texts, please press [CTRL]+[C] (or CMD+C with Mac) to copy