A Máquina da Imoralidade Pública

MARCELO FERRAZ Agora a moda é criar os grupos de “campanha política governamental” nas redes sociais No Brasil quem paga a conta é sempre o ...

MARCELO FERRAZ

MARCELO FERRAZ

Agora a moda é criar os grupos de “campanha política governamental” nas redes sociais

No Brasil quem paga a conta é sempre o indefeso do contribuinte. Mesmo passando por inúmeros problemas – decorrentes de déficits da dívida pública, do orçamento desequilibrado, bem como dos cortes injustos nas áreas da Educação, Segurança e Seguridade Social, quais sejam: desempregos, falta de serviços públicos de qualidade e insegurança pública  – se não bastasse ter que arcar obrigatoriamente com as despesas da famigerada criação do Fundo Eleitoral (R$ 1,7 bilhão), além do fundo partidário, o cidadão brasileiro também paga, indiretamente, para que os candidatos à reeleição usem indevidamente a máquina pública em suas campanhas eleitorais; o que é imoral, ilegal e um crime eleitoral.

Desta forma, nesta época, a farra com o dinheiro do contribuinte vira uma festa, por sinal, nada democrática. Na ânsia desesperada para se reeleger, os candidatos entram em uma disputa em que a ética, a legalidade e a moralidade são termos fora da realidade, aí vale tudo mesmo: colocar os servidores comissionados em campo para fazer campanha, sob pena de perderem o emprego; usar toda estrutura das secretarias de comunicação para fazer campanha particular do candidato; unidades de saúde se transformam em verdadeiros comitês de campanha, que por sua vez, registram os eleitores em troca do serviços públicos; veículos governamentais ficam à disposição do eleitor e por aí vai... 

E as agências de publicidade então? Essas ganham todas as licitações públicas durante o mandato e, na época eleitoral, usam o dinheiro dos cofres públicos para fazer campanha do candidato que irá manter esses contratos no futuro e tal. 

Nada obstante, agora a moda é criar os grupos de “campanha política governamental” nas redes sociais. O termo é esse mesmo, por incrível que pareça! Assim, a internet virou uma guerra de mensagens, acontecimentos e “notícias” de candidatos. E na maioria das vezes quem coordenam e promovem esses grupos são os próprios servidores, que recebem salários da administração pública por isso, mas estão à disposição dos candidatos à reeleição.

Outro dia, fulano de tal me relatou que foi incluído em um grupo desses no whatsapp e lá presenciou essa modalidade nova de difusão de mensagens políticas. Jornalistas, publicitários, enfim, comunicadores – contratados pelo governo – justamente para fazer campanha eleitoral. Na ocasião, a fonte me informou ainda que questionou essa prática imoral, para não dizer ilícita, mas, segundo a pessoa, ela foi sumariamente removida do grupo sem receber sequer uma nota explicativa sobre o fato estranho.  

No entanto, eles aproveitam das brechas da legislação eleitoral para aturarem nessa época sem se enquadrarem na tipificação penal. Ou seja, usam de toda criatividade “maligna” para driblar a Lei nº 9.504, que estabelece normas para as eleições, sobretudo o artigo 73 e seus subsequentes incisos, que por sua vez, em sua maioria, coíbem o uso indiscriminado e ilegal da máquina pública em campanhas eleitorais.

Aqui no Mato Grosso não é diferente. Parece que essa página do Patrimonialismo – termo utilizado para descrever a falta de distinção por parte dos líderes políticos entre o patrimônio público e o privado – nunca vira e está emperrada no tempo. Um ciclo vicioso na política que só tende a diminuir e corromper ainda mais as relações entre os cidadãos e os agentes políticos. Aí fica o questionamento...se na campanha eles já agem assim, imagina durante o mandato então?

Por isso, vale lembrar de um estudo feito pelo francês Pierre Zémor, La communication publique (1995), no qual o educador ressalta essas distinções entre a comunicação pública e a privada.

“A ética da comunicação pública, que se junta no seu prazo à sua eficácia, baseia-se no respeito de cada emissor do grau de consenso social junto à mensagem. Um conteúdo cívico, no contrato republicano tácito passado com o cidadão, deve ser diferenciado das ideias políticas no debate, como promoção ou da propaganda para interesses concorrentes, específicos ou partidários”.

Contudo, diante do exposto, cabe à Justiça Eleitoral, ao Ministério Público e a qualquer cidadão denunciarem essas práticas antidemocráticas, que por sua vez, não coadunam com os princípios constitucionais de um Estado Democrático de Direito moderno.

MARCELO FERRAZ é jornalista e escritor.

Nome

Destaque,2,ESPERANDO,1,Fotos e eventos,153,Geral,2895,PAPO DE ESQUINA,6,Política,1261,Regional,1935,Rosário Oeste,1815,Variedades,2592,Videos,740,
ltr
item
Biorosario Notícias: A Máquina da Imoralidade Pública
A Máquina da Imoralidade Pública
https://lh3.googleusercontent.com/-VmUDFbYY6lk/W4BoC2eT_1I/AAAAAAABykk/_FQLTYfci1oY5jj7hr18BBaEkMo9jgGlQCHMYCw/MARCELO%2BFERRAZ_thumb%255B1%255D?imgmax=800
https://lh3.googleusercontent.com/-VmUDFbYY6lk/W4BoC2eT_1I/AAAAAAABykk/_FQLTYfci1oY5jj7hr18BBaEkMo9jgGlQCHMYCw/s72-c/MARCELO%2BFERRAZ_thumb%255B1%255D?imgmax=800
Biorosario Notícias
https://www.biorosario.com.br/2018/08/a-maquina-da-imoralidade-publica.html
https://www.biorosario.com.br/
https://www.biorosario.com.br/
https://www.biorosario.com.br/2018/08/a-maquina-da-imoralidade-publica.html
true
7773387971014822502
UTF-8
Carregando posts Nenhum post foi encontrado Ver todos Leia Mais Responder Cancelar Excluir Por Inicio PÁGINAS POSTS Ver Todos RECOMENDADO PARA VOCÊ CATEGORIA ARQUIVO BUSCAR TODOS Não foi encontrado nenhuma correspondente à sua busca! Voltar ao início Domingo Segunda-feira Terça-feira Quarta-feira Quinta-feira Sexta-feira Sábado Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sáb January February March April May June July August September October November December Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez agora mesmo 1 minuto atrás $$1$$ minutes ago 1 hour ago $$1$$ hours ago Ontem $$1$$ days ago $$1$$ weeks ago more than 5 weeks ago Followers Seguir ESTE CONTEÚDO É PREMIUM Please share to unlock Copy All Code Select All Code All codes were copied to your clipboard Can not copy the codes / texts, please press [CTRL]+[C] (or CMD+C with Mac) to copy