OUTUBRO ROSA: A cada 100 laudos positivos de câncer de mama 1 homem é atingido - confira relato

Vinícius Lemos – RD NEWS No início de 2016, o professor universitário César Pereira de Lima, 46 anos, brincava com o filho mais novo quando ...

f0218a9c32b86bd02def60ed2b9c06c3

Vinícius Lemos – RD NEWS

No início de 2016, o professor universitário César Pereira de Lima, 46 anos, brincava com o filho mais novo quando sentiu uma dor intensa no peito, após a criança encostar em sua mama esquerda. Dias depois, foi ao médico, passou por exames e recebeu um diagnóstico inesperado e raro para homens: câncer de mama

No Brasil, a cada 100 casos de câncer de mama, apenas um envolve homem. Em razão do baixo índice entre o sexo masculino, o professor comenta ter ficado extremamente surpreso com o diagnóstico. “Antes da descoberta, eu notei que havia algo estranho na minha mama, porque o mamilo havia retraído, mas nunca pensei que pudesse ser câncer”, diz.

“Foi uma situação muito difícil. Para qualquer pessoa, descobrir um câncer é um choque. Mas para homem descobrir um câncer de mama é um choque maior ainda”, completa.

A descoberta da doença foi em março de 2016. Um exame comprovou que o nódulo na mama do professor era maligno. O caroço, de 0,4 centímetros, apresentava sério risco à saúde do paciente, informou o médico. No mês seguinte, o homem teve de passar por uma cirurgia de emergência para a retirada completa da mama esquerda. Em 30 dias, o nódulo havia crescido para 0,6 centímetros.

“A cirurgia foi um procedimento semelhante ao que as mulheres com a doença passam. Foi retirada toda a mama e uma parte da região da axila, porque também havia indícios de câncer embaixo do braço”, comenta. 

Ele acredita que o câncer foi desenvolvido em razão de estresse que enfrentava na carreira de professor. “Eu dava aula em três unidades de ensino diferentes e cheguei a ter 2 mil alunos em certo período. Então era muito cansativo”, conta. Outra possibilidade para a doença é a mutação genética. “Não é uma chance descartada, até porque tive a doença em período considerado anterior ao que os outros homens têm, porque ela costuma surgir mais tardiamente”, pontua.

outubro rosa

Geralmente campanha foca na mulher

Segundo o mastologista Aguiar Farina, que atende a diversos casos de câncer de mama, os homens têm menos chances de desenvolver a doença porque possuem a mama mais atrofiada, pois têm menor quantidade de estrogênio, o hormônio feminino.  “Mas não é impossível que eles desenvolvam a doença”, explica.

Ele relata que os tratamentos aplicados aos homens e às mulheres são semelhantes. “Eles passam pela cirurgia, que comumente é a primeira fase, depois fazem quimioterapia, radioterapia e, por fim, a hormonioterapia”, detalha.

Conforme o médico, é mais fácil para os homens perceber um possível nódulo na mama. “O caroço aparece com mais facilidade para eles. Nas mulheres, os nódulos podem surgir dentro da mama, então dificulta a descoberta”, diz.

Farina esclarece que casos de câncer de mama no público masculino costumam atingir homens a partir dos 60 anos. “Mas pode ocorrer entre mais novos também”.

C�sar Pereira de Lima

Professor César, em fase de tratamento e portanto sem os cabelos, jantando com a família em momento de lazer

Apoio da família

Desde a descoberta da doença, César recebeu intenso apoio da esposa, com quem está casado há 22 anos, e dos dois filhos, de sete e 14 anos. “O auxílio da minha família e dos meus amigos foi fundamental. Não tenho dúvidas de que eles me ajudaram muito”, declara.

Segundo o professor, a esposa ficou extremamente abalada com a descoberta da doença do companheiro. "Hoje já superamos essa fase de dificuldade. Mas no início, ela recebeu a notícia como se fosse um diagnóstico de morte”, diz.

Para o filho mais velho, ele explicou a realidade da doença. “Ele entendeu bem, me acompanhou em algumas sessões de quimioterapia e tem muita preocupação comigo”, revela. Ao mais novo, ele apenas disse que o pai estava com um “bichinho”, mas não escondeu os tratamentos pelos quais passou. “Ele também me acompanhou em alguns tratamentos”.

Depois da cirurgia, o professor começou a fazer quimioterapia. Foram 18 sessões, de junho a dezembro de 2016, seguidas por 25 de radioterapia, de dezembro do mesmo ano a fevereiro de 2017.

Ele acredita que um dos fatos que contribuíram para que a doença não chegasse a níveis mais graves foi a descoberta precoce. “O câncer estava indo do estágio um para o dois. A doença tem quatro estágios e a maioria das pessoas descobre quando está no terceiro ou quarto, quando já esparramou para outros órgãos e não há muito o que fazer”, diz.

“A maioria descobre (o câncer de mama) quando está no terceiro ou quarto (estágio), quando já esparramou para outros órgãos e não há muito o que fazer”

Durante o tratamento contra o câncer de mama, em Cuiabá, César viajava com frequência para São Paulo, onde se consultava com especialistas. Na capital paulista, conheceu outros homens que também enfrentavam o câncer de mama. “Por aqui, em Mato Grosso, era somente eu. Mas em São Paulo conheci vários casos, porque lá é referência no tratamento contra a doença”, explica.

Entre os colegas que conheceu, alguns estavam em boa situação, mas havia outros que haviam descoberto a doença tardiamente. “Um deles estava em estado terminal. Conheci também outro que depois morreu em razão da doença”.

Câncer nos pulmões

Em dezembro de 2016, enquanto concluía o tratamento de quimioterapia, o professor passou por exames que detectaram manchas em um de seus pulmões. Posteriormente, o médico descobriu que tratava-se de uma metástase do câncer de mama. “Foi difícil descobrir que o a doença avançou, mas novamente contei com o apoio da minha família e dos meus amigos”.

No início de 2017, ele começou tratamento contra o câncer nos pulmões, após encerrar a radioterapia para tratar a doença na mama. “Para esse cancer nos pulmões, farei tratamento por toda a vida. Uma vez por mês, faço quimioterapia”, diz.

O professor faz acompanhamento constante para descobrir se a doença não avançou para outros órgãos. “Por toda a minha vida, terei de fazer esse controle”. Em relação ao câncer de mama, prefere não tratar como uma doença curada. “Não digo que me curei, porque é uma doença da qual terei que fazer acompanhamento para sempre, apenas terminei o tratamento”, pondera.

Um ano após encerrar o tratamento na mama esquerda, surgiram caroços na direita e os médicos suspeitaram que pudesse ser um novo câncer. “Fizemos exames, mas descobriram que não era a doença”.

Cicatriz  vira orgulho

Ao levantar a camisa para mostrar a mama esquerda, César afirma não ter vergonha da marca deixada pela cirurgia. “É um sinal de que eu venci a doença”, comenta. Ele não vê problemas em sair sem camisa. “Se alguém perguntar, eu explico sobre a doença e digo como a venci”, pontua.

Frequentador da Igreja Batista, ele comenta que a fé foi fundamental para que pudesse ter sucesso no tratamento contra o câncer. “Acredito que quando a pessoa tem fé, as coisas melhoram e ela tem muito mais chances de conseguir o que deseja”, relata. Hoje, o professor costuma falar sobre sua história em igrejas do Estado. “Muitas pessoas me pedem conselhos sobre a doença e querem saber como enfrentei tudo isso”.

Há dois meses, César deixou as aulas, por recomendação médica. O professor somente deixou o trabalho quando estava na fase final da quimioterapia, mas retornou logo que encerrou o tratamento contra o câncer de mama. “Nos últimos meses, os médicos me aconselharam a me afastar das aulas por conta do estresse que o serviço estava me causando”, diz.

Ele segue afastado do trabalho e estima que em dois anos conquiste a aposentaria, por tempo de serviço. Para os próximos meses, planeja ajudar outras pessoas que enfrentam doenças como o câncer e também quer usar o conhecimento como administrador para ensinar pequenos empreendedores. “Eu vou tocar a minha vida normalmente, apesar de toda a experiência que tive com a doença. Me sinto curado emocionalmente e espiritualmente. Fisicamente, terei de fazer tratamento por toda a vida, mas acho que o mais difícil já conquistei, que é a cura emocional e espiritual”.

Nome

Destaque,2,ESPERANDO,1,Fotos e eventos,153,Geral,2880,PAPO DE ESQUINA,6,Política,1254,Regional,1930,Rosário Oeste,1814,Variedades,2581,Videos,734,
ltr
item
Biorosario Notícias: OUTUBRO ROSA: A cada 100 laudos positivos de câncer de mama 1 homem é atingido - confira relato
OUTUBRO ROSA: A cada 100 laudos positivos de câncer de mama 1 homem é atingido - confira relato
https://lh3.googleusercontent.com/-ahgdtkIKdhk/W9mF6VdpTiI/AAAAAAAB4FY/rgEKcNC4_oAo1vRt_2GiEbcpyn4npj5sgCHMYCw/f0218a9c32b86bd02def60ed2b9c06c3_thumb%255B1%255D?imgmax=800
https://lh3.googleusercontent.com/-ahgdtkIKdhk/W9mF6VdpTiI/AAAAAAAB4FY/rgEKcNC4_oAo1vRt_2GiEbcpyn4npj5sgCHMYCw/s72-c/f0218a9c32b86bd02def60ed2b9c06c3_thumb%255B1%255D?imgmax=800
Biorosario Notícias
https://www.biorosario.com.br/2018/10/outubro-rosa-cada-100-laudos-positivos.html
https://www.biorosario.com.br/
https://www.biorosario.com.br/
https://www.biorosario.com.br/2018/10/outubro-rosa-cada-100-laudos-positivos.html
true
7773387971014822502
UTF-8
Carregando posts Nenhum post foi encontrado Ver todos Leia Mais Responder Cancelar Excluir Por Inicio PÁGINAS POSTS Ver Todos RECOMENDADO PARA VOCÊ CATEGORIA ARQUIVO BUSCAR TODOS Não foi encontrado nenhuma correspondente à sua busca! Voltar ao início Domingo Segunda-feira Terça-feira Quarta-feira Quinta-feira Sexta-feira Sábado Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sáb January February March April May June July August September October November December Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez agora mesmo 1 minuto atrás $$1$$ minutes ago 1 hour ago $$1$$ hours ago Ontem $$1$$ days ago $$1$$ weeks ago more than 5 weeks ago Followers Seguir ESTE CONTEÚDO É PREMIUM Please share to unlock Copy All Code Select All Code All codes were copied to your clipboard Can not copy the codes / texts, please press [CTRL]+[C] (or CMD+C with Mac) to copy