Plantão

Vereadores ficam sob pressão no Município de Nobres

da Redação

A difícil decisão: Rejeitar uma lei existente e ficar mal perante a opinião pública ou apoiar uma volta ao passado, desfazendo o trabalho dos colegas. Essa é a situação que cada legislador nobrense tem diante de si no momento em relação ao nepotismo e a legislação vigente por mais de 25 anos. 

Tentamos contato com alguns vereadores, mas ninguém retornou, fugindo do esclarecimento sobre um fato que vai causar muito boato em Nobres, sobre as velhas práticas políticas de desconstrução do que está feito. 

A democracia demorou a chegar no município, mas desfazer-se dos velhos costumes ainda está longe de virar modernidade por lá. 

A Lei n.º 746/2.000, aprovada e sancionada em Nobres é a pedra que vai tumultuar a vida de muitos parlamentares, caso a lei seja enviada para análise dos “Nobres Edis” nos próximos dias. 

As redes sociais estão ligadas e foi através delas e dos internautas de plantão que chegou-nos a informação de que a referida lei pode ser revogada daqui para mais alguns dias. 

No município de Santo Antonio de Leverger, o problema foi parar no Tribunal de Contas e envolve caso de nepotismo. “No entanto, o conselheiro relator deixou de aplicar multa quanto a essa irregularidade em razão da exoneração do servidor do cargo em comissão de diretor clínico do Hospital Municipal e extinção do contrato de trabalho temporário. O conselheiro optou por converter a multa em expedição de determinações à atual gestão e às próximas que virão, para que se abstenham de nomear cônjuge, companheiro ou parente em linha reta, colateral ou por afinidade, até o terceiro grau”, conforme notícia divulgada. 

Nenhuma resposta dos vereadores foi conseguida, mas é certo que eles terão que ter atitude e decidir por um lado ou outro.