Plantão

Em 8 meses de mandato, deputados federais de MT "torram" R$ 1,4 milhão

Hipernoticias

Entre os oito deputados federais de Mato Grosso, Neri Geller (PP) foi o que mais gastou com a Cota para Exercício da Atividade Parlamentar (CEAP).

O levantamento foi feito pelo HNT/HiperNotícias com base nos dados divulgados pelo Portal de Transparência da Câmara Federal. Levamos em consideração o fato de que a posse dos deputados eleitos ocorreu em fevereiro, por isso, calculamos do mês citado até setembro.

De acordo com os dados, Geller apresentou um gasto de R$ 308,1 mil. Logo em seguida, está a única deputada mulher por Mato Grosso, a professora Rosa Neide (PT), com R$ 249,7 mil. Em 3º lugar, com R$ 207 mil, aparece Juarez Costa (MDB).

Em 4º lugar está o deputado de primeiro mandato, Emanuel Pinheiro Neto (PTB), o Emanuelzinho, com R$ 159,6 mil. Já em 5º, aparece Leonardo Albuquerque, o Dr. Leonardo, com 148,4 mil.

Carlos Bezerra (MDB) gastou R$ 129,9 mil, ficando em 6º lugar. Fechando a lista estão os parlamentares, José Medeiros (Pode) e Nelson Barbudo (PSL), que apresentaram gastos de R$ 122,5 mil e R$ 78,2 mil, respectivamente.

Todos os parlamentares juntos, de fevereiro a setembro gastaram R$ 1,4 milhão.

A CEAP, que é a antiga verba indenizatória, é uma cota única mensal destinada a custear os gastos dos deputados exclusivamente vinculados ao exercício da atividade parlamentar. O valor repassado aos parlamentares é calculado de acordo com o Estado pelo qual o mesmo se elegeu.

Nelson Barbudo foi o que menos gastou, com R$ 78,2 mil

Essa variação ocorre por causa das passagens aéreas e está relacionada com o valor do trecho entre Brasília e o Estado que o deputado representa. Em Mato Grosso, a quantia recebida, por mês, chega a R$ 39,4. Além da CEAP, os deputados recebem um salário mensal de R$ 33,7 mil.

GASTO DETALHADO

O mês que o deputado Neri Geller mais gastou foi em junho, com R$ 53,3 mil. Só com divulgação de atividade parlamentar foram R$ 21,3 mil. Com locação de ou fretamento de veículos automotores mais R$ 12 mil. Emissão de bilhete aéreo R$ 8,7 mil. Manutenção de escritório e apoio à atividade parlamentar R$ 4,6 mil. Combustíveis e lubrificantes deram um custo de R$ 4,1 mil.

O restante ficou dividido em serviços de telefonia- R$ 236, táxi e pedágio- R$ 237mil e fornecimento de alimentação parlamentar- R$ 202.

Já a vice-campeã na lista dos deputados mais gastadores, Rosa Neide, apresentou a maior despesa no mês de maio, um valor de R$ 40,1 mil. Com emissão de bilhete aéreo, a parlamentar gastou R$ 9,6 mil.

Em seguida com R$ 9 mil ficou a locação de ou fretamento de veículos automotores. Com divulgação de atividade parlamentar, ela gastou R$ 7mil. Combustíveis e lubrificantes marcaram R$ 4,6 mil. Outros gastos com telefonia, serviços postais, fornecimento de alimentação parlamentar e hospedagem resultaram na quantia de R$ 3,1 mil.

Juarez Costa, que ficou em terceiro lugar na lista, gastou R$ 30 mil em maio. Ele usou R$ 19,3 mil com emissão de bilhete aéreo. Com locação de veículos R$ 3,8 mil e combustíveis e lubrificantes R$ 3,4 mil. Na manutenção do escritório de apoio à atividade parlamentar, o deputado gastou R$ 2,7. Em telefonia, serviços postais, serviços de táxi e pedágio, e fornecimento de alimentação, o emedebista gastou R$ 1359 mil.

O mês que o deputado Emanuelzinho mais gastou foi em julho, uma quantia de R$ 29,5 mil. Só de divulgação de atividade parlamentar foram R$ 17 mil. Emissão de bilhete aéreo mais R$ 7,4 mil. Combustíveis, telefonia e manutenção do escritório chegaram ao total de R$ 5 mil.

Geller apresentou o maior gasto com R$ 308,1 mil

Dr. Leonardo, que aparece em quinto lugar, gastou em abril R$ 27,6 mil, sendo R$ 7,8 mil de bilhete aéreo e R$ 6,4 para manutenção do escritório. Com divulgação, ele gastou R$ 5 mil, seguido de R$ 4,4 mil com locação de veículos automotores. Combustíveis e lubrificantes ficaram em quase R$ 3 mil. Somando os serviços de telefonia, serviços postais, fornecimento de alimentação parlamentar e hospedagem, a quantia é de R$ 962.

O deputado Carlos Bezerra teve uma despesa de R$ 60 mil em agosto. Com consultorias, pesquisas e trabalhos técnicos ele gastou R$ 30 mil. Locação de veículos automotores e a divulgação de atividade parlamentar somam R$ 20 mil. De emissão de bilhete aéreo foram R$ 9,4 mil. De telefonia e serviços postais, o cacique do MDB gastou R$ 728.

Na penúltima posição está José Medeiros, que em maio usou da sua cota parlamentar, R$ 22,5 mil. Com passagens aéreas foram usados R$ 10,7 mil. Com combustíveis e lubrificantes ele gastou R$ 6 mil e R$ 3,6 mil com manutenção de escritório de apoio à atividade parlamentar.

Medeiros consumiu R$ 2,2 mil da sua verba com serviços de táxi, telefonia, hospedagem, serviços postais e alimentação.

Por fim, o deputado correligionário do presidente Jair Bolsonaro, Nelson Barbudo, teve uma despesa maior em junho, com R$ 15,4 mil. Ele gastou com divulgação do seu trabalho R$ 5,7 mil, mais R$ 3,9 mil de passagens aéreas e R$ 3 mil de emissão de bilhete aéreo.

Com combustível, Barbudo gastou R$ 1,5 mil. Os outros serviços, como telefonia, manutenção do escritório, serviços postais, alimentação e hospedagem, somados chegam a R$ 1,1 mil.