Falar mato-grossense está ligado ao português arcaico, diz estudo

Fonte: Olhar Conceito Um estudo científico liderado pela professora e pesquisadora da Universidade do Estado de Mato Groso (Unemat), ...

‘Pêtche com matchiche’: Falar mato-grossense está ligado ao português arcaico, diz estudo
Fonte: Olhar Conceito

Um estudo científico liderado pela professora e pesquisadora da Universidade do Estado de Mato Groso (Unemat), Jocineide Macedo Karim, doutora em linguística e uma estudiosa das variações sociolinguísticas, descobriu que o falar mato-grossense tem relação com as raízes coloniais, e pode estar associado ao sotaque do norte de Portugal. A pesquisa ainda está em curso, mas, segundo a professora, é necessário entender que o falar é um patrimônio cultural que precisa ser preservado e merece ser valorizado, e não discriminado.

Jocineide tem como objeto de estudo o jeito de falar nas comunidades afrodescendentes dos quilombos e também nas comunidades tradicionais de Mato Grosso. "A Variação Linguística em comunidades afro-brasileiras da região Centro-Oeste do Brasil". A investigação vai levantar informações sociolinguísticas de comunidades quilombolas nas cidades de Cáceres, Poconé e Vila Bela da Santíssima Trindade.

A professora explica que a pesquisa demonstra a relação dos fatores socioeconômico, geográfico e culturais com o modo de preservação da fala. O falar presente nessas comunidades quilombolas segue o mesmo padrão encontrado em diversas cidades de Mato Grosso, constituídas durante o período do Brasil Colônia, colonizadas por bandeirantes vindos de São Paulo e por portugueses que vieram do norte de Portugal.

"A nossa fala (fala do mato-grossense, das comunidades tradicionais e comunidades de afro-descendentes) está muito atrelada aos usos linguísticos daquele tempo. Nós temos encontrado nessas comunidades o português padrão, o português popular, o português arcaico e temos usos linguísticos que vieram com os portugueses colonizadores do norte de Portugal", explica.

Para Jocineide, os estudos mostram que Mato Grosso formado durante o período do Brasil Colônia tem traços linguísticos muito parecidos, já o Mato Grosso formado depois do período do Brasil Colônia é outro. 

A manutenção dessa forma de falar, então, é uma expressão cultural e de identidade, e se mantém porque as mudanças linguísticas ocorrem lentamente. Além disso, segundo a professora, nessas comunidades ocorreu um relativo isolamento.

Em sua pesquisa, ela procura descrever a variação linguística encontrada fortemente em Mato Grosso, e que está bem preservada dentro dessas comunidades quilombolas. Jocineide lembra que entre as pessoas mais idosas, com mais de 55 anos, que se mantém nessas comunidades o falar marcado por usos linguísticos como "djá", o "djé", o "tché" que estão presentes no "petche", "catchorro", "dgente", "atchei", "djeito" é muito mais marcado. "Essas são formas ainda estão muito presentes, ainda nos dias de hoje, no norte de Portugal".

Também é comum encontrar o traço de concordância nominal de gênero, como "vou no mamãe", ou como "nossa infância era maravilhoso". Também temos a alternância do ditongo [ãW] e [õ], que pode ser observado por exemplo em pão, que se fala "pón" "mamón", "irmon"e que também está presente em Portugal, bem como o alçamento da vogal central baixa [a] em ambiência nasal, como por exemplo: "tudo, aqui cánta, dánça cururu, baile".

Outros usos linguísticos encontrado nas falas dessas comunidades vêm do português rural e também do português popular, que se caracteriza pelo rotacismo que é a troca do "L" pelo "R", como em "bicicreta", "probrema" "Cróvis", "craro". A professora explica que para estudar essas variações de fala é preciso entender e considerar a cultura e com isso valorizar e preservar.

"É importante saber que a língua é dinâmica e que à medida em que ela é usada vai ocorrendo sua renovação. Mas o que a gente percebe é que a direção atual é de valorizar e de preservar. O que ocorre com relação ao preconceito é que o nosso povo é um povo simples, acolhedor. O preconceito é social: o valor da fala dele é o valor que ele tem na sociedade. Então se somos uma sociedade, para os grandes centros, o interior do interior, então se forma o preconceito. Mas isso tem mudado por conta do conhecimento que vem sendo disseminado, de que esse modo de falar é uma riqueza, um patrimônio", afirma.
Nome

DESTAQUE,2,Destaque Lateral,2,ESPERANDO,1,Fotos e eventos,227,Geral,6969,PAPO DE ESQUINA,6,Parceiros,4,Regional,2935,Rosário Oeste,2370,Variedades,3824,Videos,1476,
ltr
item
Biorosario: Falar mato-grossense está ligado ao português arcaico, diz estudo
Falar mato-grossense está ligado ao português arcaico, diz estudo
https://www.olharconceito.com.br/imgsite/noticias/Unemat-Nova-Mutum-campus-fachada-2018-ass-990x556.jpg
Biorosario
https://www.biorosario.com.br/2019/11/falar-mato-grossense-esta-ligado-ao.html
https://www.biorosario.com.br/
https://www.biorosario.com.br/
https://www.biorosario.com.br/2019/11/falar-mato-grossense-esta-ligado-ao.html
true
7773387971014822502
UTF-8
Carregando posts Nenhum post foi encontrado Ver todos Leia Mais Responder Cancelar Excluir Por Inicio PÁGINAS POSTS Ver Todos RECOMENDADO PARA VOCÊ CATEGORIA ARQUIVO BUSCAR TODOS Não foi encontrado nenhuma correspondente à sua busca! Voltar ao início Domingo Segunda-feira Terça-feira Quarta-feira Quinta-feira Sexta-feira Sábado Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sáb January February March April May June July August September October November December Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez agora mesmo 1 minuto atrás $$1$$ minutes ago 1 hour ago $$1$$ hours ago Ontem $$1$$ days ago $$1$$ weeks ago more than 5 weeks ago Followers Seguir ESTE CONTEÚDO É PREMIUM Please share to unlock Copy All Code Select All Code All codes were copied to your clipboard Can not copy the codes / texts, please press [CTRL]+[C] (or CMD+C with Mac) to copy