Propaganda

Incapaz de abraçar diversidade, Victoria’s Secret confirma fim de desfile anual

Hypness

Imagina uma marca problemática no mundo da moda. Ok, todas são. Mas uma em especial realmente não conseguiu se adaptar as mudanças que o mundo tem tido e infelizmente não inseriu a diversidade que os consumidores atuais exigem das empresas.

A Victoria’s Secret declarou o fim de seus desfiles anuais que foram alvos de muitas polêmicas graças a sua falta de representatividade. O ‘Victoria’s Secret Fashion Show’ teve o cancelamento anunciado pela L Brands, holding que controla a companhia.


Os rumores começaram já em julho quando a Angel Shanina Shaik afirmou em uma entrevista que os Fashion Shows poderiam parar de existir. O último desfile, em 2018, alcançou a menor audiência de todos os tempos. No ano passado, as ações da empresa cairam 41%. O principal motivo de reclamação das clientes são peças muita apertadas, focadas para corpos magérrimos.

“Iremos continuar a nos comunicar com as consumidoras, porém não será nada parecido com a grandiosidade do desfile”, afirmou o vice-presidente da empresa em comunicado oficial. O reposicionamento da marca parece urgente.

Esse tem sido o grande problema da gigante da moda. Mesmo com modelos de diversas etnias e a inclusão da primeira topmodel transgênero da empresa, a Victoria’s Secret ainda parece ter um grande problema para acreditar que mulheres de verdade – e compradoras de lingerie – não pesam 45 quilos.

A influência da Victoria’s Secret e do corpo que suas campanhas idealizavam eram muito problemáticos, porque forçavam um padrão de beleza descomunal nas mulheres. Uma fotógrafa da marca revelou diversos ‘truques‘ que ela era forçada a utilizar para transformar as modelos nas fotos e fazer com que elas vendessem mais.

“Eu comprei uma lingerie da Victoria’s Secret nesse verão. E depois que eu comprei, claro, não era tão bonita quanto na foto. Eu era a pessoa que literalmente retoquei a foto e até eu não estou imune à forte propaganda. É incrível”, afirmou a fotógrafa. Entretanto, isso tem mudado.


Se foi uma batalha para conseguir que a marca realizasse a primeira sessão de fotos que não photoshopasse estrias, imagina para colocar uma modelo plus size? Ah é, eles colocaram. E falaram que a modelo Barbara Palvin, da foto acima, era plus size. Vergonha, né?

É uma pena que a Victoria’s Secrets tenha tamanha dificuldade de inserir esse tipo de modelo em seus desfiles. É incrível como mesmo após de tanta pressão pela mudança, a empresa insista no modelo. A intenção não era que o show acabasse, mas que adotasse novas modelos e que a marca se tornasse mais inclusiva.
Efeito Rihanna

E enquanto isso, quem valoriza a diversidade parece vir crescendo. Pelo menos a Fenty, grife comandada por Rihanna, tem aumentado suas participações no mercado da moda, lanço sucessos atrás de sucessos. A coleção Savage x Fenty, desenvolvida por Riri, dominou as vendas de lingerie nos EUA. O ‘Savage x Fenty Show’, evento de lançamento da coleção foi tão maravilhoso que virou até série especial da Amazon. Dá uma olhada na coleção e sente a diferença.