Plantão

Empresa é suspeita de aplicar golpe do consórcio em Cuiabá e VG

Fonte: folhamax


Clientes de um empresa de consórcios imobiliários de São Paulo, com representantes em Cuiabá, denunciaram mais de cinco golpes na venda de cartas de crédito em Cuiabá. FOLHAMAX teve acesso as denúncias que já somam um prejuízo de mais de R$ 50 mil aos que seriam os futuros contemplados.

A empresa seria uma terceirizada de uma empresa de São Paulo, que em Cuiabá usa o nome de "A.L Consórcios" e tem página na internet oferecendo diversos serviços. Numa "varredura" foram localizadas 10 vítimas do golpe da carta de crédito.

O modus operandi são idênticos, com todos clientes, a empresa oferece a carta, em seguida pede uma entrada e espera o cliente pagar ao menos quatro boletos prometendo a casa. Após isso, começam a surgir os problemas, pois mesmo com os boletos pagos o cliente não recebe a casa e também não tem resposta da empresa. 

Uma das vítimas, de 31 anos, teve um prejuízo de mais de R$ 10 mil. Ele narra que adquiriu uma carta de crédito vendida pela empresa "A.L Consórcios", localizada na rua Ouro fino, Bosque da saúde. Segundo a vítima, esta empresa alega representar a "Brasplan Consórcios", de São Paulo.

Na sede em Cuiabá, a vítima contratou o consórcio de uma carta no valor R$ 150 mil e que no ato deu uma entrada de R$ 9.907,00 mil. Ele também pagou quatro prestações, em forma de boleto, na quantia de R$ 907,00 cada uma.

O comprador da carta de crédito relatou a polícia que foi informado pelo funcionário da Brasplan de São Paulo, identificado como "Alexandre", que sua carta de crédito havia sido contemplada. Diante disso, ele foi atrás de um imóvel, firmou contrato de promessa de compra e venda.

A denúncia foi registrada no último dia 28 de janeiro, quando a vítima tomou conhecimento por meio de um ex-funcionário que tudo seria um golpe de um quadrilha especializada. FOLHAMAX entrou em contato com a empresa em São Paulo que por telefone disse que responderia sobre caso por email ou via telefone, após a verificação da situação do cliente.

A assessoria antecipou que a empresa "A.L Consórcios" presta serviços para Brasplan. Explicou que, neste casos, o cliente lesado entre em contato com a ouvidoria da empresa e que em até 7 dias tem seu dinheiro de entrada devolvido. 

IDOSOS LESADOS

Em outro boletim de ocorrência que o FOLHAMAX teve acesso consta que um cliente de 46 anos foi lesado em pouco mais de R$ 5 mil. No relato, a vítima conta que logo após adquirir a carta de crédito efetuou um pagamento de R$ 5.594,00 mil à empresa Brasplan e que se arrependeu do negócio.

No entanto, não teve “solução” por parte dos representantes. Ele ainda relata que foi informado de que teria que aguardar uma “assembleia” para receber o dinheiro de volta, no entanto, soube que a sede em Cuiabá da empresa está sendo fechada. “O comunicante solicitou o cancelamento do consórcio, e a devolução de seu dinheiro, mas a empresa solicita que o comunicante espere a assembleia. O comunicante notifica de que a empresa possivelmente esteja enrolando para dar o calote, pois está fechando sua sede na cidade de Cuiabá”, descreve boletim de ocorrência.

O caso ocorreu em julho de 2019. No entanto, o cliente registrou a denúncia em janeiro deste ano.

A terceira vítima, que também registrou boletim em novembro de 2019, relata que contratou um consórcio imobiliário no valor de R$ 130 mil e efetuou a entrada de R$ 8.586,50 mil passando a pagar parcelas R$ 400. Ele pagou quatro prestações neste valor até desconfiar quando não recebeu mais os boletos, justamente quando teria que ter a carta contemplada.

A vítima entrou em contanto com o vendedor, que informou que a representante da empresa de SP, a Brasplan teria fechado em virtude de diversos processos judiciais. A vítima também foi informada que a empresa de São Paulo está funcionando normalmente.

FOLHAMAX entrou em contato pelo telefone pela segunda vez para uma resposta sobre esses outros casos, mas não recebeu nenhum retorno da empresa. Já quanto a representante em Cuiabá, a empresa “A.L consórcios” estaria de mudança para outro estado.

Nos telefones disponíveis na internet, nem mesmo pelo aplicativo a empresa “A.L. consórcios” não respondeu a reportagem do FOLHAMAX. A empresa Brasplan ainda tem outros dois boletins de ocorrência registrados contra ela em Mato Grosso, sendo as vítimas duas idosas, respectivamente de 64 e 67 anos.

Numa das denúncias, a vítima de 64 anos, é moradora de Várzea Grande e relatou a polícia que conversou com um vendedor por telefone que indicou a empresa Brasplan Consórcio, num escritório na mesma cidade. Com essa empresa, ela adquiriu uma carta de crédito no valor R$ 180 mil e que lhe foi exigido o pagamento de uma entrada de R$ 13.685.40 mil com a garantia de que seria contemplada no terceiro mês. 

A idosa realizou o pagamento de três parcelas no valor de R$ 1.085,00 mil cada, sendo realizado depósito bancário na agência do Itaú com titularidade da Brasplan. Depois de um tempo, passou a desconfiar após não encontrar nenhum site para acompanhar o processo da carta de crédito.

Outro caso, também registrado na polícia de Mato Grosso, é de uma idosa de 67 anos moradora do bairro Pico do Amor, na capital. A vítima denunciou que fez consórcio, com a empresa Bransplan com um homem, identificado como “Nicolas”, em junho de 2019, por um contrato. “Deu entrada de R$ 11.404,50 mil. A comunicante relata que isso foi referente ao sorteio da casa e lhe foi dito que caso pagasse esse valor ela seria contemplada com a sua casa. Relata que pagou mais 4 boletos: 2 de R$ 452,00 e dois de R$ 904,00. A comunicante relata que até o momento não recebeu sua casa e esse rapaz continua mandando boleto para a comunicante pagar”, descreve denúncia registrada no dia 03 de fevereiro deste ano.