Plantão

Globo se manifesta sobre abertura modificada de Fina Estampa



A edição especial de Fina Estampa (2011), que a Globo lançou nesta segunda-feira (23), causou comentários na web por conta da mudança de abertura. A emissora aplicou efeitos na vinheta original, transformando o desfile das modelos Adriana e Alyne Villardi numa sala de espelhos em uma imagem quase caleidoscópica.

A Comunicação da Globo, consultada pelo RD1, afirmou: “A abertura de Fina Estampa sempre foi muito gráfica e, ao revisitá-la, optamos artisticamente por dar a esse grafismo um tratamento mais contemporâneo”.

A versão do canal contradiz o disse-me-disse na web, que atribuía a alteração a um suposto desacerto com relação aos direitos de imagem das gêmeas que estrelam a vinheta.

Este comentário ganhou força em razão da abertura da novela para o mercado exterior, que substituiu a modelo por cenas da produção – como é de praxe em outros países, vide os folhetins da Televisa.

Esta não é a primeira vez que a Globo “atualiza” a vinheta de uma novela em reprise. Em 1981, Irmãos Coragem (1970) ganhou novo grafismo e sofreu mudanças nos créditos em seu retorno ao vídeo, através do TV Mulher. Em 1990, a emissora também reformulou os caracteres de Escrava Isaura (1976), compactada em 30 capítulos para o Festival 25 Anos.

Atualizações de créditos também foram vistas nas reapresentações de Senhora do Destino (2004), Belíssima (2005) e Por Amor (1997), entre 2017 e 2019, no Vale a Pena Ver de Novo.

Alterações mais drásticas apenas em Tieta (1989), que, no repeteco de 1994, passou a ter créditos rolando pela tela – como no encerramento – para esconder a nudez de Isadora Ribeiro, e em Mulheres de Areia (1993), minimizando as cenas de nu estrelas por Mônica Carvalho, na reexibição de 2012. A Globo também apagou o merchandising da Avon na abertura de Anjo Mau (1997), em 2003 e 2016.

Fonte: rd1