Propaganda

Cidadãos de Nova York serão obrigados a usar máscaras em locais públicos



O governador de Nova York (EUA), Andrew Cuomo, afirmou nesta quarta-feira (15) que vai emitir um decreto para obrigar todos os cidadãos a usarem máscaras em locais públicos em situações nas quais não seja possível manter a distância de 1,5 metro de outras pessoas.

A regra, que deve entrar em vigor no próximo sábado (18), visa minimizar a disseminação do novo coronavírus no estado.

"Se você vai estar em público e pode entrar em contato com outras pessoas em uma situação que não ocorra o distanciamento social, você deve ter uma máscara ou pano cobrindo seu nariz e boca", disse o governante em entrevista coletiva.

Segundo Cuomo, em um primeiro momento não haverá a aplicação de multas a quem descumprir a medida. Porém, ele não descarta a possibilidade de adotar normas mais rígidas no futuro.


"Se eles [os cidadãos] não aceitarem isso [a medida] e houver um descumprimento generalizado, podemos determinar sanções civis ou até restringir o uso de trens e ônibus somente a quem estiver usando máscaras.", afirmou.

A decisão ocorre cerca de duas semanas após o Centro de Prevenção e Controle de Doenças (CDC) recomendar o uso de máscaras em locais públicos para todos os cidadãos norte-americanos.

Os Estado Unidos já registram mais de 600 mil casos confirmados da Covid-19, mais de um terço deles foram contabilizados em Nova York. De acordo com Cuomo, a doença matou pelo menos 752 pessoas no estado nas últimas 24 horas, totalizando 11.586 óbitos.

Na coletiva, o governador ainda ressaltou que o uso das máscaras em locais públicos será uma prática fundamental no processo de retomada das atividades econômicas. Ele pondera, no entanto, que a situação deve ser normalizada apenas quando for desenvolvida uma vacina contra o novo coronavírus, o que pode demorar até 18 meses, segundo a OMS.

Máscaras

A Organização Mundial da Saúde recomenda o uso de máscaras cirúrgicas apenas para profissionais de saúde e pacientes contaminados pelo novo coronavírus. Isso porque ainda não há consenso científico na comunidade acadêmica sobre a real eficácia do uso do equipamento por pessoas saudáveis e assintomáticas.

Além disso, há uma escassez de máscaras cirúrgicas no mercado mundial, portanto é importante reservá-las para quem mais precisa.

Por outro lado, autoridades de vários países, como o Ministério da Saúde, no Brasil, apostam que máscaras caseiras de pano podem ser importantes aliadas no combate à propagação do novo coronavírus.

A OMS alerta, no entanto, que os equipamentos não substituem medidas de isolamento social e podem ser eficazes somente como parte de uma política de prevenção mais abrangente.

Fonte: olhardigital