Propaganda

Cleo Loyola revela escândalo entre Zezé e Luciano, barraco, tapa na cara e fim da dupla



Luciano Camargo e Zezé Di Camargo estariam em pé de guerra segundo conta Cleo Loyola em mais uma de suas histórias polêmicas sobre a Família Camargo. A ex-mulher de Luciano revelou que a dupla sertaneja está se desentendendo há muito tempo e que o clima familiar não é nada agradável.

No entanto, o estopim dessa guerra familiar teria acontecido após uma briga entre Wanessa Camargo e Flávia Fonseca, mulher de Luciano. Na confusão, Flávia teria agredido Wanessa com um tapa no rosto e, desde então, os irmãos não se suportam. Ainda de acordo com Cleo, a irmã mais velha de Zezé e Luciano, Marlene, é quem tem maior ligação com Lu.

Loyola também decidiu expor ainda mais o sertanejo, que segundo ela é gay. Cleo resolveu falar se a matriarca da família, Helena Camargo, sabia dos supostos casos homossexuais de Luciano. A pastora contou que todos sabiam dos relacionamentos do músico com outros homens, inclusive quando era casado com ela.

“Muita gente me perguntando muitas coisas, mas tudo será mostrado no tempo certo. Muita gente me perguntando se quando o ‘Lucigay’ tinha caso com a Tina, com Evair e com Chicão – foram os três que ele teve caso quando era casado comigo –, se a dona Helena sabia. Se a família sabia. Sim. Toda a família sabia. Por que sabiam?“, disparou, colocando lenha na fogueira.

“A Tina, que é aquele travesti que morava no Parque Ateneu e apareceu com o ‘Lucigay’ dando um beijo de língua, frequentava a casa da dona Helena, que trabalhava fora para criar vários filhos e Seu Francisco de pedreiro. A Tina era cabeleireira e tinha um salão de beleza no Parque Ateneu e sempre levava uns trocadinhos para a dona Helena para ajudar os filhos“, disse.

“Então, ela sabia, sim. Não sei se o Seu Francisco sabia porque ele viajava muito, pois ele trabalhava muito. Mas a dona Helena tinha um contato com a Tina que fazia o cabelo dela direto e levava algumas coisas pros meninos comerem. A Luciele era um ‘Pé de Toddy’, vivia na rua. O Camarguinho, os outros meninos. O Walter. O Wellington que ficava em casa na cadeira de rodas. Wellington fazia uns escândalos horríveis no Parque Ateneu. Aquela cadeira [de rodas] só faltava falar”, provocou.

Fonte: rd1